Inspirando-se no Orestes grego, que segundo o mito mata a mãe e seu amante, Paulo Rodrigues Ferreira dá neste livro vida a um Orestes contemporâneo que, entre acusações à progenitora e a tudo o que o rodeia, vai enumerando, capítulo a capítulo, as razões pelas quais se sente desenraizado, impossibilitado de levar uma existência normal, igual à de tantos outros homens banais que conheceu.
Uso Errado da Vida é uma tentativa de reflexão sobre o passado, o presente e o futuro de alguém que não se adaptou à realidade, que não superou o trauma e que, ao mesmo tempo, deseja experimentar felicidade, paz de espírito e bem-estar.