Andam no vento as aves da manhã azul
gritos que lançam ao sobrevoar o cais
distância que as mãos agarram
nas margens de outros gritos