Eis algumas das suas extraordinárias conclusões:
– ao contrário do que se pensava, o túmulo de Tutankhamon nunca foi assaltado: o aparente caos existente na antecâmara fora meticulosamente planeado e era apenas uma parte do mistério
– os indícios aí descobertos demonstravam flagrantes analogias com dados obtidos no México, no túmulo de Lorde Pacal, o “último Grande Maia”
– Lorde Pacal e Tutankhamon eram afinal uma só pessoa
– o Livro das Revelações da Bíblia e os tesouros descodificados de Tutankhamon e Lorde Pacal contam uma e a mesma história.
Esta sabedoria ancestral – no fundo, um grande e único segredo – tem sido transmitida ao longo das gerações, e chegou até à Maçonaria moderna e a outras sociedades secretas.