Há muitos, muitos anos, eu sei lá… P´raí uns 400 e tal anos…. Ali para os lados da região da Mancha viveu um fidalgo daqueles de lança no cabide e adarga antiga, rocim magro e galgo corredor que passava o tempo quase todo a ler.
Lia com tanto afinco e gosto que esqueceu quase por completo o exercício da caça e também a administração da sua fazenda. A idade do nosso fidalgo rasava os 50 anos. Era alto e de compleição rija, seco de carnes, enxuto de rosto e grande madrugador.
Chamava-se Dom Alonso Quijano e vivia na companhia de uma jovem sobrinha que não chegava aos vinte e com uma senhora que passava dos quarenta e cuidava da casa e guardava as chaves, para além de um moço que tanto selava o rocim como fazia a poda.
Por mais que teimassem, D. Alonso pouco comia e bebia, tanta era a paixão contínua pela leitura dos livros de histórias de cavalaria de tal modo que estava realmente magro e parecia que vivia noutro mundo, dando a impressão, por vezes, que se passava do juízo.