A investigação desenvolvida neste livro questiona o facto de, apesar da fotografia enquanto processo de representação automática ter introduzido, irreversivelmente, o efeito de real da imagem técnica como condição essencial da cultura moderna, este mesmo efeito ter sido o suporte para múltiplas formas de evasão e de construção imaginária desse mesmo real.