Foi-me dado colaborar na revisão de provas tipográficas relativas à temática poética, constante nesta distinta obra da autoria de João D’Alcor. Os seus poemas, de grande originalidade, traduzem sabedoria, humor, filosofia, espiritualidade e transcendência. A poesia afigura-se gémea da sua prosa. Em ambas o autor se distingue.
[Mário Silva Freire]
A C R Ó S T I C O Amar sempre, e com fervor, Maior bem não pode haver. Abastança, sem amor, realmente, é nada ter. Como um pobre desprovido, O descrente, em vão mendiga. Mas, quem crê vê garantido O amor, por toda a vida. Ele sabe onde é que existe Logo, à fonte, vai beber Esse dom que o céu contém. Ama e prova que consiste mais em dar que receber A origem desse bem.